R e v i s t a . e l e c t r ó n i c a . d e . f i c ç ã o . c i e n t í f i c a . e . f a n t á s t i c o

Antologias — Ideia e História

A princípio, o E-nigma pretendeu editar antologias temáticas de ficção ultra-curta, isto é, de contos com até mil palavras. Foi a forma que arranjámos para abrir as portas E-nigmáticas a este tipo de textos, mantendo a estrutura a que já habituámos os nossos leitores: ficção em páginas HTML relativamente pequenas, para leitura on-line ágil sem tempos de espera, e ficheiros PDF para quem prefere ler off-line ou imprimir e ler longe do monitor.
No entanto, depois de ouvirmos uma série de queixas de que o limite de mil palavras era demasiado curto, decidimos alargá-lo até três mil palavras, não deixando por isso, claro, de aceitar contos mais pequenos. A ideia básica manteve-se, mas achámos que assim dávamos maior flexibilidade aos autores para escolherem o tamanho certo para a sua história. A não ser em casos especiais, não iremos alargar este limite. Na maior parte das situações, três mil palavras é mais que suficiente para criar contos de boa qualidade e com alguma complexidade, e não é necessário escrever para as antologias para escrever para o E-nigma: quem necessite do estímulo de um tema e de um prazo para escrever, pode encarar as antologias como esse estímulo, e ainda que depois acabe por ultrapassar o tamanho limite, pode sempre submeter o seu conto ao E-nigma, fora das antologias.
Marte recolheu um total de 13 submissões, das quais foram seleccionados 6 contos, num total de 14400 palavras. Apesar de serem aceites indiferentemente contos inéditos ou já publicados, os autores resolveram, todos eles, escrever de propósito para a antologia, e assim temos uma antologia 100% inédita. Dois dos contos são de fantástico, os restantes são FC, e quase todos ultrapassaram as duas mil palavras. Para saber mais, por que não ir até às páginas a ela dedicadas no E-nigma antigo?
A segunda antologia, aberta em simultâneo, tem o tema alienígenas. E continua aberta!
A terceira antologia foi aberta bastante mais tarde, procurando contos sobre espaços virtuais, e, ao contrário de outras, que levam muito tempo abertas ou porque não há submissões ou porque elas não são bem o que procuramos, encheu-se muito depressa.
Algum tempo depois, abriu-se a quarta antologia, que pela primeira vez teve um coordenador que não o Jorge Candeias. Coordenada por José Saraiva, esta antologia é dedicada às criaturas da noite e está ainda aberta.
O passo seguinte foi um pásso lógico mas que não estava planeado desde o início. Uma vez mais devido a pressões com os tamanhos-limite, mas também dado o bom acolhimento que O Planeta das Traseiras recebeu do público, decidimos preparar uma expansão desta antologia com contos sem limite de tamanho mas ainda e sempre sobre o planeta Marte, e editá-la em livro de papel. Esta edição, neste momento, está praticamente assegurada, faltando apenas que as submissões de novos contos sejam suficientes, em qualidade e quantidade.
Finalmente, resolvemos reformular por completo o projecto das antologias virtuais, abrindo uma série delas em simultâneo e alargando o leque de organizadores e de temas.
Assim, e para começar, abrimos uma antologia nova subordinada ao tema das distopias e ainda organizada por Jorge Candeias, ao mesmo tempo que saíamos numa tangente aos temas habituais nas antologias anteriores, com uma antologia de contos surrealistas, organizada por António Candeias.
Já combinada, mas ainda não implementada devido a um detalhe técnico que será solucionado num prazo muito curto, está a antologia seguinte, que pretende reunir contos fantásticos eróticos, e que será organizada por António Martins-Tuvalkin. E estamos ainda a preparar outras. Mantenham-se atentos.

 

Antologias publicadas

O Planeta das Traseiras

Projectos

Gente de Outros Lugares

Virtualidades

Criaturas da Noite

Distopias

A Girafa das Gavetas

Movimentos Harmónicos

Amanhã é Ontem